terça-feira, 16 de junho de 2009

Poesias não nascem da alegria




(Raquel Pereira)


Poesias não nascem da alegria, não se faz poesia com sorriso,
não se faz poesia quando se ganha o tão esperado presente,
poesias na alegria são trocadas por felicitações,comemorações e companhias, tudo alheio a lápis e papel.

Alegria combina mais com restaurante tipo fast- food ou rodada de pizza, churrasco de domingo, baile no sabadão.

Poesia nasce da tristeza, com ela sim combina,
Nasce do amor que sendo tão forte traz consigo o triz de quero mais e mais... nada tem haver com alegria.

Poesias nascem de almas cansadas e solitárias,
Solitárias não só por não ter ninguém, mas por decisão de estar só, para ver nascer nas pequenas linhas algo perfeito que apenas o falar não conseguiria.

Poesias nascem da observação de almas que lêem as entrelinhas, nascem não de uma força, apenas surgem.
Poesias nascem de realizações utópicas, de uma força divina, que não é mera mão de quem escreve, mas toque magnifico de Deus.

Poesias não vem de afobações, mas sim da concentração da psique em algo maior, não vem cercada de fogos de artificio, e sim no silêncio de um quarto chamado alma.



2 comentários:

Rafaela disse...

concordo totalmente com você. 'poesias não vem de afobações' achei incrivel essa frase.

Ana disse...

Caramba, estive procurando por essas palavras a muito tempo, sempre pensei que poesias não nascem da alegria e lendo o seu blog, consegui minha certeza.

Adorei o seu espaço, vou registrá-lo lá no meu.

Beijos.